Blog do Marcelo Sá

Balanço parcial mostra situação dos reservatórios do Ceará

Os aportes registrados nos reservatórios monitorados pela Cogerh seguem tímidos, se comparados aos números registrados nesta mesma data ano passado. Confirmados até aqui os prognósticos da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), com chuvas abaixo da média, algumas regiões do Ceará apresentam recuperação modesta dos reservatórios, como é o caso da porção centro-sul do Estado e região Jaguaribana.

A Bacia Hidrográfica do Banabuiú, no sertão central do Estado, apresenta o menor volume acumulado do Ceará. O volume acumulado é de 10% de sua capacidade total. Foram cerca de 15 milhões de metros cúbicos de aporte do início do ano para cá, número destoante dos pouco mais de 100 milhões nesta mesma data em 2020. As regiões do alto, médio e baixo Jaguaribe, onde estão os Açudes Castanhão e Orós, os maiores do Ceará, também seguem com aportes baixos.

Para Bruno Rebouças, diretor de Operações da Cogerh, a atitude deve ser de parcimônia e economia de água. “Temos visto chuvas abaixo da média até em regiões que historicamente são mais beneficiadas, como é o caso da porção norte do Estado. Neste ano, mesmo em situação confortável, as bacias mais ao norte estão com volume menor em relação ao ano passado”, observa Rebouças sobre a recarga nos reservatórios das Bacias do Acaraú e Coreaú.

O volume acumulado total do Estado é de 26,2 %. Até esta terça feira (30), o Ceará registra dez açudes sangrando, seis com volume superior a 90% e 54 com volume inferior a 30%.